Jiu-Jitsu

É muito difícil precisar quando ou onde exatamente o Jiu-Jitsu se originou. Apesar dos esforços de muitos historiadores e de evidências que apontam para os monges budistas da Índia, elementos básicos de luta corpo a corpo podem ser encontrados em lugares como a Grécia, Índia, China, Roma e até na América nativa.

Ao tentar entender a origem definitiva do Jiu-Jitsu Brasileiro, deve-se evitar a simplificação de se atribuir sua criação a uma pessoa, a um grupo ou a uma época. O Jiu-Jitsu, como o compreendemos hoje, é uma maneira natural e intuitiva de combate que teve manifestações rudimentares em várias culturas e em diferentes momentos históricos.
Mas uma arte marcial não é composta apenas de técnicas ou estratégias de combate. A filosofia que define o propósito da prática e o código moral dos praticantes formam um elemento poderoso que não apenas determina a direção do desenvolvimento técnico mas a sobrevivência ou não da arte propriamente dita.

Quando chegou ao Japão o jiu-jitsu se desenvolveu entre os samurais como uma maneira de derrotar, sem o uso de armas, um adversário armado e protegido com armadura. Por se mostrar ineficiente o ataque a um oponente com armadura, os praticantes aprenderam que os métodos mais eficazes de neutralizar um inimigo assumiam a forma de imobilizações, chaves em articulações e quedas. Estas técnicas foram desenvolvidas em torno do princípio do uso da energia de um agressor contra ele próprio, ao invés de se opor a ela diretamente.



 

 

 

 

Um dos disseminadores do jiu-jitsu fora do Japão foi Mitsuyo Maeda, conhecido como Conde Koma, que chegou ao Brasil em 1914 e fazia apresentações públicas desta arte marcial até então desconhecida. A primeira vez que Carlos Gracie viu o Conde Koma foi em uma dessas demonstrações. Ele ficou espantado com a capacidade de Koma em derrotar adversários muito maiores e mais fortes que ele.

Carlos Gracie era um jovem rebelde e seus pais, Gastão e Cesalina, estavam perdendo o controle sobre ele. Ativo e irrequieto, ele estava dando muito trabalho. Ao saber que Maeda tinha começado a ensinar Jiu-Jitsu, Gastão decidiu levá-lo para aprender como forma de acalmar e disciplinar seu filho.Carlos foi apresentado ao Jiu-Jitsu aos 14 anos de idade por Mitsuyu Maeda e se tornou um ávido aluno por alguns anos. Os treinamentos sob a orientação de Maeda tiveram um impacto profundo em sua mente. Ele jamais havia sentido o nível de autocontrole e autoconfiança proporcionado pela prática do Jiu-Jitsu.

A partir deste ponto, Carlos Gracie ensinou os seus irmãos, adaptando o Jiu-Jitsu japonês para uma arte marcial que evoluía e adquiria novas características: nascia assim o Jiu-Jitsu Brasileiro, que popularizou-se rapidamente com os torneios e desafios idealizados pela família Gracie, com grande cobertura da mídia.

Hoje o jiu-jitsu é conhecido como uma das artes marciais mais eficazes do planeta, sendo largamente utilizada por lutadores profissionais. A arte suave, como também é conhecido o jiu-jitsu, tem suas técnicas utilizadas para a defesa pessoal e podem ser largamente utilizadas por todos, inclusive crianças, idosos, mulheres e pessoas de menor porte contra adversários maiores.